Arquivo da categoria ‘Homofobia brasileira e lusitana’

 

Diário de Notícias de Portugal – 25/02/2006

Gisberta, nascida Gilberto Salce Júnior na cidade de S. Paulo, Brasil, há 46 anos, acabou morta no fundo de um fosso malcheiroso. A “mulher belíssima, muito cuidada, profundamente feminina e dócil”, que chegou a Portugal há uns 25 anos, agonizou mais de 48 horas até soltar o último bafo de vida. As notícias anunciaram a morte de um homem, mas é no feminino que a tratam as associações que privaram com o transexual e lhe prestaram auxílio: “Era uma senhora”, diz Raquel Moreira, do Espaço Pessoa, que lidava com “Gis” há quase dez anos.

Umas duas semanas antes de ser violentamente agredida no parque subterrâneo que lhe servia de casa, Gisberta confidenciou a uma técnica sobre “uns miúdos que de vez em quando apareciam na obra e se metiam com ela”, embora não tenha referido qualquer agressão. Aconselhada a sair, afirmou apenas: “Posso estar muito mal, mas continuo a ter a força de um homem, não vai ser por causa de uns miúdos…” Mas Gisberta há muito estava débil, fruto das maleitas do HIV e da hepatite, que a deixavam cada vez mais fragilizada.

Foi-se alterando o acompanhamento que recebeu do Espaço Pessoa ao longo dos anos. Quando aquela instituição abriu portas, em 1997, o contacto era feito através das equipas de rua, que lidam com a população que se prostitui. Gisberta, que em tempos havia feito espectáculos de transformismo em algumas casas gay portuenses, vendia o corpo na Rua de Santa Catarina. Nani Petrova, um dos travestis mais antigos da cidade, lembra mesmo que “Gis” chegou a actuar em bares míticos como o Sindikato e o Bustos, mas “não fazia do show a vida profissional, era mais prostituição”.

Todos assinalam a beleza de outros tempos e a sua cordialidade: “Era uma jóia, uma pessoa muito bonita, parecia uma rapariga autêntica, maravilhosa”, descreve Petrova, que a conheceu há “uns vinte anos”.

Também Raquel Moreira não esquece a beleza de Gisberta, entretanto destruída pela doença e pela toxicodependência. “Era uma mulher muito educada, muito dócil, diferente do que é normal encontrar na rua”, diz. Gisberta era uma “pessoa informada sobre a realidade nacional e internacional”, aproveitando os tempos que passava no Espaço Pessoa para ver os telejornais e comentar a actualidade com os técnicos e outros utentes.

Anúncios