O ALEMÃO CRUEL E A BELEZA DE UMA VIDA.

Publicado: 30/07/2012 em Poesia

NA MEMÓRIA QUE SE FOI DISSECADA, PELA MEMÓRIA DE CELINA

===============================================

 

Celina não teve um dia de descanso nesta vida.

Rodeada de trabalho, dedicação, orações, novenas, terços, rosários, bolos, festas…

Celina e Lídio desde 1946 até 1976 dentro de uma padaria,

dentro de uma casa,

dentro dos aniversários e das nossas almas,

dentro das outras casas fazendo o bem,

agindo e atuando,

andando pelas calçadas do recife antigo e sempre velho,

Celina andou quase uma volta ao mundo.

Celina que no final da vida me olhava com um olhar cabralino e não me reconhecia.

Celina que agradeceu quem lhe cuidou nos últimos meses.

Celina de quem não pude me despedir, meus filhos meio orfãos, minha mulher a sonhar com os seus carinhos e almoços,

Celina que foi minha parteira nesta vida e parteira de tanta gente para as outras vidas.

No final, no dia do seu aniversário levitou.

Recobrou por alguns minutos, de forma extraordinária a sua memória.

Como se Deus fizesse um back-up para a despedida, um grande final.

E Celina se foi, na certeza de que a esperavam sua mãe, seu marido e todos os queridos que haviam partido com a sua ajuda.

Celina que não reclamava em nome da renúncia, que havia lhe tirado a capacidade de gerar filhos e lhe deu outros 54 sobrinhos.

Celina que sabia das dores do mundo, das dores da gente e não poupava atitudes para consolo, regalo , bençãos, solicitudes.

Não esqueço dela nesses sete anos de separação.

O alemão aparentemente ganhou, mas ela não era a menina que roubava livros, ela doava vida.

Celina não escrevia poemas, ela foi um poema vivo. Um livro soberano e sua presença lateja todo dia no meu peito.

Eu espero o outro parto, mesmo sem sua ajuda, com a certeza de que a encontrarei.

Feliz, Celina, Feliz.

Cantando Hosanas e quem sabe organizando algum aniversário onde sempre cabe a memória de quem viveu para se lembrar e ser lembrada.

Anúncios
comentários
  1. João Carlos disse:

    Eita broda.Inté nisso. Tivemos a nossa Celina. Chamava-se Maria Luiza ou Lulu.Ainda em vida me viu sem titubear chamar minha caçula de Maria Luiza.Ou alguém ainda duvida que existem anjos ?

  2. Domingos disse:

    Existem Broda. E graças a Deus tivemos os nossos anjos e anjas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s