Poemeterno de Roberto Freire.

Publicado: 03/05/2012 em Poesia

 

Tradução livre de Roberto Freire (o psicanalista, poeta e inventor da Somaterapia) sobre poema de Edna St Vicente Millay:
 CANTO FÚNEBRE DA INSUBMISSÃO
=============================
Eu não concordo com a descida dos corações amantes à terra dura.
Assim é, será e foi desde tempos imemoriais: eles seguem pelas trevas, os sábios e os belos.
Coroados de lilases e de louros, eles partem; mas eu não me conformo.
Amantes e pensadores, contigo, dentro da terra, transformados na poeira morna e cega. Um fragmento do que tu sentias, daquilo que tu sabias, uma fórmula,uma frase apenas restou —  mas o melhor está perdido.
As respostas rápidas e vivas, o olhar honesto, o riso, o amor estes  partiram.
Partiram para alimentar as rosas. Os botões serão meigos, elegantes e perfumados.
Eu sei. Mas eu não aprovo. Mais preciosa era a luz em teus olhos que todas as rosas do mundo.
Fundo, fundo, fundo na escuridão da cova, docemente, os belos, os ternos, os bons, calmamente eles descem, os inteligentes,os espirituais,  os bravos.
Eu sei. Mas não estou de acordo. E eu não me conformo.
 
 
Anúncios
comentários
  1. João Carlos disse:

    Eu também! E não entendo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s