Torpedaço de Edgar Mattos.

Publicado: 30/03/2012 em Poesia

A ESQUERDA VAI ÀS COMPRAS ( NA 5ª AVENIDA )

 

                                                            EDGAR MATTOS

 

                    Era no tempo em que os Estados Unidos eram anatematizados pelas esquerdas como a  sede de todo o Mal.  Por isso, foi com muito constrangimento que minha colega Gildete*, secretária de educação de um estado do Sul, aceitou o convite da Embaixada Americana para visitarmos, em programa de intercâmbio, a terra do Tio Sam.

                    Os convidados éramos apenas quatro: além de Gildete  e eu, então secretário de Educação de Pernambuco, um técnico da secretaria de Educação de São Paulo, e uma assessora do MEC.

                    Como único representante do Nordeste e, a despeito da divergência política com os demais companheiros de viagem, todos extremados peemedebistas – á época um partido de respeito – não tinha com eles qualquer problema de relacionamento pois, pela minha atuação  nos encontros do conselho nacional de secretários de Educação, já lograra me fazer conhecido e respeitado.

                   Aliás, eles é que se sentiam incomodados de me ter como testemunha dessa (para eles) vergonhosa concessão feita ao “odioso imperialismo yankee”, de certa forma homenageado com a  visita de tão ferrenhos críticos. Até porque seria muito difícil disfarçar a enorme satisfação de todos em havermos sido contemplados com a grande oportunidade de conhecermos, a custo zero, a  organização educacional de um país com a dimensão política dos  “States”.

                     O programa da visita foi bem abrangente.  Percorremos o território norte-americano de costa a costa.  Estivemos em Washington, Boston, Portland, São Francisco, Phoenix e Nova York, em proveitosa viagem de trinta dias.

                     Em Portland, deu-se um fato que muito me divertiu. É que, á época,  uma das bandeiras dos sindicatos dos professores era a eleição do diretor de unidade de ensino pela própria comunidade escolar. E, até aquele ano – 1985 –, a única Secretaria de Educação a adotar aquele procedimento tinha sido a de Gildete que, orgulhosa desse seu pioneirismo, em cada cidade americana visitada fazia questão de indagar qual era o processo de escolha dos dirigentes escolares. Tudo com o vaidoso propósito de demonstrar que, no seu estado, as práticas eletivas excediam as vigentes no próprio país modelo de Democracia. Aconteceu que, para sua surpresa, em Portland, essa “democracite” ia muito além do que ela .supunha. Não só os diretores dos estabelecimentos de ensino mas também os próprios secretários de Educação eram eleitos pela população. É claro que não podíamos deixar passar essa oportunidade de gozarmos com a cara da nossa amiga cuja perplexidade com o inesperado resultado da sua pesquisa era bem visível.

– E aí Gildete, viu como você está atrasada ? Trate logo de implantar lá na sua terra esse sistema  e comece desde já a preparar a sua campanha eleitoral.

                   Inconformada por haver sido superada no que supunha ser o máximo da  atitude democrática, e, diante disso, preocupada com a legitimidade da sua própria nomeação para o cargo, Gildete começou a reagir contra a novidade.

– E se o secretário eleito for de partido diferente daquele do Governador como é que fica a administração educacional ?

  – São riscos da Democracia, minha cara Gildete – replicamos nós, sem contermos o riso ante a indisfarçável decepção da nossa amiga por haver sido defenestrada do pódio dessa ridícula competição por ela imaginada.

                        Choque maior, no entanto, tive depois ao testemunhar como são irresistíveis, mesmo para esquerdistas mais radicais, as seduções do consumismo. Para que se tenha ideia do tamanho do meu espanto, devo esclarecer que, no início da viagem, desde a nossa chegada em Washington, era risível a preocupação de Gildete em não se deixar fotografar junto a monumentos expressivos da história norte-americana como se a  documentação da sua presença no reduto do “inimigo” pudesse comprometer a sua imagem ideológica perante os seus correligionários.

                       Pois bem, estávamos em Nova York, na véspera do nosso retorno ao Brasil e era Natal. As ruas da “Big Apple”, decoradas com muitas luzes e muitas cores, fervilhavam de gente na habitual azáfama do comércio natalino, estimulado pelas ricas e criativas vitrines dos maiores e mais famosos magazines. Todos nós dispúnhamos ainda de um bom saldo da generosa ajuda de custo recebida do governo americano para prover a nossa manutenção, durante a missão cultural para a qual havíamos sido convidados.

                       Com muitos dólares sobrando na bolsa as atraentes ofertas das fantásticas lojas novaiorquinas tornaram-se, para a agora deslumbrada companheira Gildete, uma tentação forte demais.  Suficiente para quebrar os seus  pruridos ideológicos e superar os seus escrúpulos políticos. Compreensivo com as fraquezas humanas, achei até natural e justificável essa brusca mudança de atitude da nossa amiga, subitamente subjugada aos encantos da “american way of life”…

                      Só que ela não precisava ter partido para as compras com tamanha sofreguidão. Como se o Capitalismo fosse acabar no dia seguinte…

 

  • embora todos os fatos aqui mencionados sejam rigorosamente verdadeiros resolvi, por uma questão ética, esconder, sob um nome fictício, a identidade da minha colega, secretária de educação.

 

Anúncios
comentários
  1. Domingos Sávio disse:

    Humano demasiado humano. E bem humorado e mais além do politicamente correto. Porque hoje, passados quinhentos anos do descobrimento e do desdobramento das nossas elites cancerosas canavieiras, ainda vemos os filhos da cidade Maurícia, os mauricinhos e patricinhas, indo às compras em Miami e voltando abarrotados de quinquilharias. E se achando educados após poucos dias além-mar. E voltam a jogar lixo pelas janelas, a poluir as ruas, a exibir sua falta de educação no trânsito. E ainda acham a polícia norte-americana educada. Brincadeira…

  2. Domingos Sávio disse:

    Foi em Brasília, mas bem que podia mudar o nome da cidade para Hellcife:

  3. Domingos Sávio disse:

    Muito bom esse clipe. E música no toitiço. A letra devia ser o hino de Pernambuco:

  4. João Carlos disse:

    Show do mestre! Hoje ela deve estar arrependida. Os esquerdopatas perderam os pudores! Deve ter sido mais um ingrediente delicioso da viagem testemunhar a “agonia” da Secretária KKKKK Só faltou ela “argumentar à nível de” espiã!KKKK

  5. Mestre Edgar dignidade não tem partido politico,não tem raça e nem cor, ou se honesto e digno ou não.Valeu,parabens pelos relatos pelos mundos,oh Deus……………………………………………….E saiba ainda sou um esquerdista sonhador.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s