Acioly Neto. Espia Magna, João Carlos, André, Arsênio, Tadeu, Edgar, Osvaldo.

Publicado: 25/01/2012 em Brasil mostra a tua cara!

Na voz de Flávio José. Primeira:

Lisbela e o prisioneiro, na voz de Elza Soares:

Uma homenagem de um fã:

Anúncios
comentários
  1. andre gustavo disse:

    Flavio Jose me lembra o Sertão.E as lembranças de lá são sempre boas….:

  2. João Carlos disse:

    Flávio José foi (ou É) a última coisa que presta que apareceu na música autenticamente nordestina (foi colega do Domingão do BB da PB). Espumas Ao vento é de uma candura magistral assim como A NATUREZA DAS COISAS e quase toda a obra de Acioly. Pena que foi-se tão cedo. E parece que o homi era de Goiana-PE. Tás vendo tu ?

  3. Magna disse:

    João, gosto muito do Flávio José, porém ainda tem músicos de excelente qualidade, além de fiéis ao nosso Nordeste. Lutam o forró pé-de-serra, apesar do bombardeio do eletrônico. Maciel Melo e Petrúcio Amorim, por exemplo, fazem letras belíssimas, inclusive, é de Maciel, além de outras tantas, entre elas:
    1- Identifico-me muito com esta, por motivos óbvios:

    2 – Esta é de Maciel e Petrúcio e foi vencedora de um festival aqui, quando foi defendida por Nádia Maia:

    Como vemos, amigos, são duas feras.
    Abraços.
    Magna

  4. Magna disse:

    Corrigindo: gosto muito do Acioly Neto, embora goste muito também do Flávio José.

  5. Magna disse:

    Eita, que eu não acabo não, hoje estou dizendo tudo partido: Caboclo Sonhador, postada por André é de autoria de Maciel Melo. Outra pérola cantada pelo Flávio José.

  6. EDGAR MATTOS disse:

    Eu também sou fã de nosso caruaruense Petrúcio Melo. “Cenário de Amor” e ‘Tareco e Mariola” são geniais ! “A lua malandrinha/pela brechinha da telha/fotografando meu cenário de amor” ou “Eu me criei/matando a fome com tareco e mariola/” E adiante: “Quem é você pra derramar meu munguzá ?”

  7. Magna disse:

    Edgar, você deve saber o motivo da música Tareco e Mariola, não? Petrúcio Amorim conta no DVD: compôs, após ser recusado a tocar num palco de forró em Caruaru. Natural daquela cidade, pediu uma oportunidade ao organizador do evento, lembrando que era do Vassoral(salvo engano, bairro de lá), mas não houve espaço pra ele. Chegou em casa desiludido e compôs aquela obra-prima. Daí os versos:
    “Eu não preciso de você,
    o mundo é grande o destino me espera,
    não é você que vai me dar na primavera
    as flores lindas que sonhei no meu verão.
    (…)
    Eu me criei
    matando a fome com tareco e mariola,
    fazendo versos dedilhados na viola
    por entre os becos do meu velho vassoural”.

    Já Maciel Melo, homenageando sua mãe, canta, entre outros versos:
    “És a rainha de um moleque
    Traquino, trovador de travesuras
    Tuas mágoas se afogam na costura
    E a escritura te diz que o bem virá
    Um poeta já disse Deus virá
    Dou-te o nome Maria Fortaleza
    Tua fé é sinônimo de grandeza
    Em teu reino quem reina é o coração
    (…)
    Tú andaste muito mais que muitas léguas
    Tú abriste as cancelas do destino
    Te vististe com o manto do divino
    Traçaste um futuro sem ter régua
    Teu amor incansável não dá trégua
    Teu silêncio arenga com o fracasso
    E o sol ao cair deixa o mormaço
    São seis horas e mais uma oração

    E ainda compôs para o avô na mesma música:
    “Pedro Gídio
    Teus cavalos, teus burros, tuas éguas
    Tão rinchando ao redor da tua cova
    Vou tangendo com verso, e muita trova
    Vou montando num eito de canções
    Percorrendo os Brasis desses sertões
    Sou discípulo fiel da tua filha
    Sou o neto torto da família
    Sou a crina da vida, eu sou você”

    Lindo também é o poema que fez para o pai.
    Enfim, meu amigo, são duas feras. Tive a oportunidade de assitir Maciel em show de cantoria com Xangai e Renato Teixeira. Emocionou a todos. Renato Teixeira ficou visivelmente impressionado.
    Abraços!
    Magna

  8. Magna disse:

    Edgar, a história bem contadinha pelo próprio:

  9. EDGAR MATTOS disse:

    Obrigado Magna. Também aprecio muito o Maciel Melo ( de Petrolina ? ). Quanto à explicação do Tareco e Mariola imaginava um desabafo amoroso. ‘Eu não preciso de você/O mundo é grande e o destino me espera/Não é você quem vai me dar na privavera/As flores lindas que sonhei no meu verão”. E depois aquela interpelação de um agressividade bem agreste: “quem é você pra derrubar meu munguzá ? Por isso na obra poética é melhor não termos a explicação do autor e a usarmos de acordo com nossa interpretação, não acha ?

  10. EDGAR MATTOS disse:

    retioficando: “Quem é você pra derramar meu munguzá ?”

  11. Magna disse:

    Eu também tinha a mesma interpretação sua, Edgar. Certamente, os leitores ou ouvintes têm seu direito ao seu próprio entendimento. Não sei mais quem disse(talvez, Graciliano Ramos), mas eu mesma falo isso direto: depois que criamos, a criação passa a ter vida própria e o leitor(ou ouvinte) muitas vezes (e tem esse direito) interpreta (sente) como quiser, o que também muitas vezes está longe da intenção primeira.
    Porém, confesso, adoro saber qual a motivação original. Sou bastante curiosa neste sentido. Também não me acanho o mesmo para quem me pergunta, ao menos, em alguns escritos.
    Abração!.
    Magna
    Obs.: o SS vai ficar para amanhã, o dia hoje vai ser cheio de trabalho, graças a Deus.

  12. EDGAR MATTOS disse:

    A esse propósito – saber a origem da composição – ouvi, não sei se dele ou de Alcimar Monteiro – pois a composição é de ambos – a história daquela conhecida “Ela nem olhou pra mim”: “Passei horas no espelho/me arrumando o dia inteiro/e ela nem olhou pra mim”. Claro que essa é muito óbvia…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s