O Monge e a vaquinha. (*)

Publicado: 18/12/2011 em Poesia

A Vaquinha

Um velho monge budista, muito conhecido pela sua grande sabedoria, costumava fazer longas caminhadas com seu discípulo e aprendiz, nas quais o mestre aproveitava para ministrar ensinamentos sobre a vida e a ordem natural das coisas e dos elementos.

Em uma destas caminhadas avistaram ao longe uma fazenda muito humilde com um casebre caindo aos pedaços, o mestre inconformado com a pobreza do lugar, desviou do seu caminho, e foi em direção da casa, e durante o caminho foi dizendo ao discípulo, as oportunidades de aprendizado que estes contatos podem trazer.

Ao chegarem constataram o estado de completa miséria do lugar, vislumbraram três crianças sujas e mal trapilhas que brincavam no chão sem calçamento, sentados à porta do casebre um casal, ela aparentava ser uma mulher muito bonita mas sua beleza era ofuscada pelos maus tratos e a dureza que a vida lhe impôs durante muitos anos, no seu ventre carregava o quarto filho do casal, o homem se levantou e ofereceu água ao mestre e ao discípulo, se desculpando por não ter nada melhor para oferecer a tão ilustres visitas, que estavam passando por uma situação muito difícil que até alimentos faltavam.

O mestre agradeceu a água, e perguntou: Aqui não vejo locais onde se possa trabalhar e nem comércio, como consegue sobreviver aqui com sua família?

O homem respondeu, do jeito que o senhor esta vendo, vivendo um dia após o outro da maneira que podemos, planto uma pequena roça, como não tenho dinheiro para comprar um arado e nem para sementes ela produz, apenas o necessário para nossa alimentação, e as vezes nem isto, mas o principal é que temos uma vaquinha que nos dá vários litros de leite por dia, uma pequena parte deste leite usamos para nossa subsistência, o resto fazemos queijo que vendemos na cidade, e assim compramos, na medida do possível, tudo que a roça não nos proporciona.

O velho mestre agradece mais uma vez a água, a hospitalidade e as respostas, vislumbra mais uma vez o lugar, medita um pouco, se despede de todos, e juntamente com o discípulo retoma a caminhada.

Quando já estavam na metade do caminho, o mestre virou para o discípulo e disse: Você viu o barranco que passamos a pouco, volte até a fazenda pegue a vaquinha e jogue-a barranco abaixo.

O discípulo tentou argumentar, que o vaquinha era o meio de sustento da família, mas diante do silencio do mestre, mesmo a contrariado, obedeceu pegou a vaquinha e a jogou no barranco e a viu morrer.

Passaram-se alguns anos, aquela cena da vaquinha morta no barranco, continuava a atormentar o jovem discípulo, um dia quase louco pelo remorso, ele resolveu largar o templo os ensinamentos, e ir procurar a família contar o que aconteceu, desculpar-se e de alguma forma reparar seu erro.

Quando lá chegou, o casebre tinha se transformado em uma casa grande e bonita, com um grande estábulo e cavalos e com muitos empregados executando suas tarefas, isto lhe deu um aperto maior ainda no coração, será que a família foi obrigada a vender a fazenda? Tratou de apertar o passo, ao chegar próximo a casa indagou a um empregado sobre a família que morara ali a uns anos atrás, o empregado respondeu: Não sou a pessoa mais indicada para lhe responder, uma vez que sou novo aqui, mas pelo que sei esta fazenda é do meu patrão a muitos e muitos anos, mas lá esta vindo minha patroa, ela pode responder melhor suas perguntas, agora me de licença que tenho que terminar minhas tarefas.

O jovem olhou em direção da casa e viu uma linda mulher, trajada como uma princesa, que se aproximava dele ao fundo viu quatro crianças, que brincavam sobre o olhar atento da Baba, quando a mulher chegou perto ele reconheceu que era a mesma mulher, na época grávida, que ele havia visto alguns anos atrás e disse: A senhora me permite fazer uma pergunta? Claro!! respondeu a mulher, Estive aqui alguns anos atrás com meu mestre, mas hoje esta tudo mudado! Por favor me conte como conseguiram tanto sucesso?

A mulher sorriu e respondeu: Quem poderia lhe contar bem esta história seria meu marido, mas ele está na cidade cuidando dos nossos negócios, resumindo, tínhamos uma vaquinha que dentro do possível nos proporcionava nosso sustento, mas um dia ela caiu no barranco e morreu! A principio nos desesperamos, mas a necessidade nos fez desenvolver habilidades que nem saibamos que tínhamos, e o resultado disto o senhor vislumbra agora.

Texto traduzido do chinês de autoria desconhecida.

Ponto de reflexão:

Visão Otimista: As vezes temos que deixarmos de sermos acomodados, e aproveitar as oportunidades que a vida nos dá e que devido a acomodação passam desapercebidas.

Visão pessimista: Por mais escuro que pareça sempre tem uma luz no fim do túnel.

(*) Se substituirmos a família por um certo clube e a vaquinha por um certo benemérito, cai como uma luva. E mais não digo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s